domingo, 25 de março de 2012

Natalidade

Enfiei-me em mim como se pretendesse possuir algo de mim que ainda não conhecera
Adentrei na escuridão escorregadia inalando o odor do desconhecido
Não havia o que temer, não me ousaria ferir-me
Vaguei pelas minhas veias encharcadas pelo vermelho do meu sangue
Embalei-me nas batidas avechadas do âmago inquieto
Continuei a jornada com certa euforia e não sabendo ao certo o que fizera ali, aqui em mim
Agachei-me lentamente eu meu útero e repousei como jamais antes acontecera
De repente, vi-me saindo de mim como que se houvesse pressa e urgência em fazê-lo
Sai! Os olhos ainda embaçados por fina película esforçavam-se para ver adiante
O exterior de sempre... igual... mas diferente
E enfim, nascendo de mim, pude dar meu primeiro choro de vida

5 comentários:

  1. Boa noite!
    Auto conhecimeneto,
    renascimento, VIDA!!
    Isso garota, recomeçar sempre!
    Nem que para isso, precisamos
    ir ate o fundo de nossa alma,
    do nosso corpo.
    Assim, nos podemos nos restaurar
    e dar a volta por cima...Isso se chama VIDA!!
    Te amodoro e estou feliz por tua volta,
    Não fique ansiosa, sempre que der, alguem aparece.
    Mas escreva sempre, escreva para voce mesma,
    e uma excelente terapia e forma de desabafar.
    Bjinhos queridos em teu coração!
    Seja sempre bem vinda flor!

    ResponderExcluir
  2. Bom, gostei!
    uma semana bacana pra ti!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Boa noite, Parabéns pelo Blog, ele é maravilhoso...

    ResponderExcluir
  4. Impressiva descrição do momento iniciático

    Bjo

    ResponderExcluir

Cada click é um toque, um afago, um carinho. Obrigada por ter vindo, lido e comentado. Paz!