segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Só cinzas

Tão poucas palavras, ou nenhuma
E nem digo, calo apenas
E o silêncio que grita em mim, grita na madrugada
Que me rouba o sono

Os dias são tão iguais e diferentes do que pensei
Houve o tempo do contentamento, e já não é mais
E no tempo perdeu-se no caminho e nunca mais voltou
Era tempo de ir embora

Só esqueceu de levar tudo
Deixou o vulto, a lembrança
Farei uma enorme fogueira e ali queimarei
Dançarei em volta e entoarei cânticos que não compreendo

De breve virá a chuva
O fogo logo cessará
Só cinzas
E o colorido que já se finda
Só cinzas

Nem fogo, nem cânticos, nem chuva

Só cinzas

11 comentários:

  1. Quanta dor. Poesia monocromática.
    Lindo,LU!

    Amo sua sensibilidade para o contentamento e o "des"

    Tentando postar

    ResponderExcluir
  2. E vestiu-se de cinza a manhã aqui pra combinar comigo.

    Mas tento ainda lembrar que nos cinzas incrustados estão os azuis...

    Um beijo!

    Marlene

    ResponderExcluir
  3. Cinzas que podemos jogar ao vento, como forma de esquecer as marcas que ficam.
    Obrigada por visitar meu blog. Seja sempre bem vinda.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Olá Luiza,

    Obrigada pela visita e por fazer parte do blog.

    Adorei seu blog e já estou te acompanhando. Nesses últimos dias tenho encontrado muita gente bacana e aqui também será mais uma parada!

    Grande beijo

    Marcia
    www.luzcameradiversao.com

    ResponderExcluir
  5. saudade despojada sem nenhuma censura ou medo, apenas sentindo...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Nina, coisa boa!

    Xero no coração flor.

    ResponderExcluir
  7. Marilene, coisa boa ter vindo. Venha sempre!

    Cinzas. É tudo que resta. Sempre.

    ResponderExcluir
  8. Marlene, bela definição. O belo existe, sempre e em todo lugar.

    Xero

    ResponderExcluir
  9. Minha Bia, a casa é tua. Qual foi? Esqueceu a chave? rsssss

    Aqui é sua parada obrigatória.

    Xero no coração. Amei tua casa nova.

    ResponderExcluir
  10. Estamos sempre recomeçando, mesmo quando mudamos o foco em uma atividade que já vinhamos desenvolvendo. Nada é fim porque uma coisa busca outra, na sequência. Isto é próprio da vida. E como bem disse, até a morte é recomeço.
    Bjs.

    ResponderExcluir

Cada click é um toque, um afago, um carinho. Obrigada por ter vindo, lido e comentado. Paz!